Google Tag Manager

domingo, 5 de abril de 2015

O GESTOR EM GRUPOS DE TRABALHO ON-LINE – Algumas reflexões





O GESTOR EM GRUPOS DE TRABALHO ON-LINE – Algumas reflexões.
José Amande – Abril 2015

Ao falar em trabalho colaborativo on-line ou qualquer outro projeto que exija a composição de uma equipe multidisciplinar, teremos a necessidade de elencar alguém para gerir esses recursos e pessoas.
Isso parece lógico e básico demais! Porém, de importância capital, a escolha adequada desse gestor, muitas vezes, determinara o sucesso ou fracasso do projeto.
E então qual o motivo dessas reflexões?
Elas estão embasadas na observação do crescimento de diversos empreendimentos on-line, a exemplo do próprio GEG. Onde pessoas idealistas e com grande espírito colaborativo desenvolvem essas iniciativas e de repente encontram-se envolvidos no meio de um projeto que num primeiro momento parecia fácil de gerenciar, mas acaba se tornando grande demais podendo o desestimular e fazer com que se perca o interesse e o foco do projeto.
Antes de pensar em gerir recursos materiais e a tecnologia, é necessário que o gestor tenha em mente que isso é apenas uma parcela das atribuições que irá encontrar pelo caminho.
No caso da gestão de grupos on-line isso se torna ainda mais marcante, pois o gestor terá que tratar com a  diversidade de conhecimentos, “gênios”, cultura e saberes das pessoas envolvidas. Podendo, a equipe de colaboradores, estar composta de pessoas de língua, sexo, idade, pensamento políticos e religiosos totalmente distintos  entre si animados pelo ideal do projeto. 
Coloco isso pois, trabalhar num projeto “à distância” ou on-line exige alguns cuidados a mais do que os presenciais onde todo mundo está face-à-face. Em tempos de “relacionamentos líquidos”, como nos coloca Bauman em suas obras, percebemos que as pessoas quando interagem à distância através de alguma tecnologia (internet, etc.) não se expõem e não saem de sua zona de conforto. Porém, têm a tendência de também não se comprometerem muito com outras pessoas. Pois, nos primeiros sinais de contrariedade às suas ideias é só “bloquear” ou “deletar” o “amigo”, sem mais culpas.
Mas, em um projeto on-line que vise o sucesso, o gestor deve encontrar formas de trazer esse “ser” para a participação ativa e proporcionar a integração e interação com os demais membros do projeto.
Isso não é um motivo para desmotivar os candidatos a gestores, muito pelo contrário! É sim um alerta para estes possam se preparar levando em consideração as pessoas e não só a tecnologia.
O gestor não é uma ilha ou conduz seu trabalho como um ditador, ele precisa saber trabalhar com essa diversidade para que seu trabalho seja eficiente.  Dessa forma, a gestão de pessoas passa a ter uma importância expressiva na formação do gestor, até porque, ele precisara trabalhar com uma equipe multidisciplinar.
Onde existe interação, em algum momento, existirá conflito entre interesses. Com isso, o gestor deve também ser um negociador e possuir diversas habilidades para mediar as situações que aparecem no seu dia-a-dia de trabalho..
            Só lembrando, As organizações são constituídas de pessoas e dependem delas para atingir seus objetivos e cumprir suas missões. E para as pessoas, as organizações constituem o meio pelo qual podem alcançar vários objetivos pessoais com um mínimo de tempo, esforço e conflito” (CHIAVENATO, 2006)
            Leia-se aqui “organização” como o projeto que é composto por ideais, objetivos, metas, pessoas, recursos, etc.
Mas, essa nova forma de pensar, exige do gestor o desenvolvimento de novas habilidades e condutas no seu trato com sua equipe de trabalho. E por isso mesmo precisa ter uma visão  sistêmica sobre os processos da organização, afim de ser o líder de sua equipe promovendo o trabalho coletivo, gerenciando os conflitos e os interesses. Para tanto, é necessário que tenha algumas habilidades como liderança, boa comunicação, espírito de colaboração e motivação, além do conhecimento próprio de sua função.  
Nesse contexto, o gestor passar a trabalhar junto da equipe e não sobre a equipe. Isto quer dizer que o gestor, em vários momentos, atua como consultor, instrutor, orientador e mediador juntos aos seus liderados. Essa interação aumenta a sinergia do grupo de trabalho, melhorando as relações entre os componentes do grupo e consequentemente aumentado a produção e o sucesso da equipe.
            Concluindo, percebemos que a gestão de pessoas é um elemento determinante dentro do trabalho colaborativo on-line. Pois, permite um gerenciamento adequado das pessoas e suas atividades, exigindo uma nova postura do gestor que passa a trabalhar com uma equipe de colaboradores. A gestão desse grupo exige uma visão sistêmica e holística de todos os processos que se queira gerenciar, bem como, das pessoas envolvidas para que se possa orientar as competências adequadas para as funções com maiores afinidades. Mediando ideias, conflitos, soluções e recursos de uma forma adequada e pró-ativa.


 REFERÊNCIAS

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2004.

CHIAVENATO, Idalberto. Administração de recursos humanos: fundamentos básicos. 7. ed. Barueri, SP: Manole, 2009.

ROMERO, Sonia Mara Thater. Gestão de pessoas: conceitos e estratégias [livro eletrônico]. Sonia Mara Thater Romero, Selma França da Cosa e Silva, Lucia Maria Kops. Curitiba:Intersaberes, 2013. – (Série Gestão em Foco)


CONTATOS:
Email: joseamande@gmail.com
Canal Youtube: http://goo.gl/1r4Aki

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...